<%=NBResource_01_01 %>

Nuestros escritores y editores ofrecen ideas sobre las últimas noticias, eventos, entrevistas y acontecimientos del universo de desarrollo por empredimiento. Todos los post de NextBillion se enumeran aquí y pueden ser ordenados por fecha.

lunes, 17 de diciembre de 2012

A Coca-Cola está em toda parte: Por que os medicamentos não estão?

por Prashant Yadav

Ao longo dos últimos seis a sete anos, em quase todas as reuniões relacionadas ao acesso a medicamentos de que participei, alguém fez a seguinte pergunta:

Por que a Coca-Cola chega às partes mais remotas do mundo, mas os medicamentos essenciais continuam fora do alcance de muitos?

Essa questão leva às mais variadas e interessantes respostas. Para os que trabalham apenas no acesso a medicamentos, a comparação em si é um absurdo. Já os representantes das empresas de produtos de consumo veem nos especialistas da cadeia de suprimentos médicos uma atitude conservadora que não permite aprender com o outro.

Então, há alguns anos, juntamente com dois colegas no INSEAD, decidi decifrar essa questão, na esperança de encontrar respostas que possam ajudar a tornar este debate mais construtivo. Nós conhecemos várias pessoas, entrevistadas por especialistas da cadeia de suprimentos da medicina e da Coca-Cola, e conversamos com alguns empreendedores sociais.
 

"Fórmula secreta" da Coca-Cola

Descobrimos que o sistema de produção e distribuição da Coca-Cola é construído em torno da informação e dos incentivos. Por outro lado, o sistema da cadeia de acesso aos medicamentos é construído em torno da orientação normativa e da regulação.

Sim, os medicamentos precisam de supervisão regulatória muito mais que a Coca-Cola. E os pontos de venda onde os medicamentos são estocados e vendidos talvez não possam ser tão difundidos como os da Coca-Cola. Mas o aprendizado mais importante é que o sistema Coca-Cola prospera em pequenas, mas habilitadas, unidades empresariais que trabalham juntas para fazer o complexo processo de entrega funcionar sem problemas. As cadeias de fornecimento de medicamentos, por outro lado, trabalham com uma atitude institucional hierárquica que, em alguns casos, dificulta a inovação. A principal razão para isso é a maior necessidade de controle e fiscalização na distribuição de medicamentos, devido aos maiores riscos de segurança envolvidos.

A provisão de cuidados da saúde no mundo em desenvolvimento tem visto benefícios notáveis ​​de inovação social na última década. Os hospitais Lifespring realizam partos com baixo custo e maior qualidade. Aravind, pioneira em baixo custo para modelos de negócios de alto volume, realiza o mesmo com olho e cirurgia de catarata. MedicallHome, as clínicas do projeto Saúde 10 no Brasil, HMRI, MeraDoctor, são exemplos de empresas sociais que tornaram a saúde acessível para 4 bilhões de pessoas.

No entanto, há poucos exemplos de empresas sociais focadas na melhoria do acesso aos medicamentos. E as poucas que existem muitas vezes dependem do apoio de grandes doadores mundiais.


Olhando para a frente

Para as cadeias de suprimentos essenciais da medicina serem eficazes e eficientes, precisamos de inovação social em uma escala semelhante à de prestação de cuidados na saúde.

Isso requer duas coisas:

Primeiro, aqueles que estão no comando dos negócios das cadeias de suprimentos médicos, tanto no nível nacional quanto mundial, precisam abraçar ou reascender a cultura da inovação social. E isso os obriga a ter mais confiança para que a cultura de inovação, a experimentação e o empresariado social não entrem necessariamente em conflito com a garantia de supervisão e controle regulamentar.

Isso está começando a acontecer e há razões para o otimismo. Na semana passada, em Maputo, Moçambique, encontrei-me com uma equipe da iniciativa Clinton Health Access, que está trabalhando com a Coca-Cola e com governo de Moçambique para trazer a experiência da Coca-Cola em planejamento de logística para o sistema de distribuição de remédios no sistema público de saúde do país. No final da semana, em Dar e Salaam, na Tanzânia, encontrei-me com uma equipe da Accenture Development Partnership, que está trabalhando com o sistema de distribuição de medicamentos daquele país. Eles estão colaborando com a Coca-Cola para incorporar a companhia na gestão de desempenho, monitoramento e avaliação, e no planejamento de métodos para a cadeia de fornecimento de medicamentos.

Em segundo lugar, os empreendedores sociais têm que gastar tempo pensando cuidadosamente sobre as necessidades únicas da logística dos medicamentos, e não presumir que são as mesmas da Coca-Cola. Eles têm que incorporar o papel da supervisão regulatória e maior controle em seus modelos de negócios.

A corrida é para ver qual empreendedor social vai se tornar o Aravind de entrega na área médica.

Para ler mais sobre as semelhanças e diferenças entre as cadeias de suprimentos da Coca-Cola e da área médica, por favor leia meu artigo na revista Stanford Social Innovation Review.

 
Prashant Yadav é pesquisador sênior do Instituto William Davidson (WDI) e diretor da Iniciativa de Pesquisa de Saúde no WDI.

URL amigable: 

Story Snapshot

CLOSE